Archive | abril, 2012

haverá a idade das coisas leves

Tags:

Livro – Haverá a idade das coisas leves

Postado em 20 abril 2012 por Elisa Quartim

Haverá a idade das coisas leves
de Thierry Kazazian

 

Haverá a idade das coisas leves é uma reflexão sobre todos os objetos que invadem nosso cotidiano e pesam no nosso meio ambiente, mas que poderiam se tornar leves e duráveis se fossem verdadeiros serviços. Thierry Kazazian propõe desenvolver bens e serviços planejados de forma sustentável, desde sua concepção até seu descarte para a reciclagem.

O livro dá uma passada nos principais acontecimentos históricos mundiais que tangenciam o design. Em seguida trabalha os principais conceitos do design para a sustentabilidade como a interdependência, o tempo e suas variedades, os ciclos de transformação (naturais e artificiais), e como chegar ao “optimum” com um produto mais leve.

No final o livro exemplifica esses conceitos de forma criativa e visual com a apresentação de 7 empresas fictícias que pertence, cada uma delas, a uma área essencial  e cotidiana da vida: água, alimentação, energia, habitação, esporte e multimídia. São ideias como, por exemplo, utilizar toda a energia produzida com os exercícios das pessoas, em academias de ginásticas, em energia para abastecer pilhas, baterias e a própria academia ou então, um sistema de utilização coletiva de automóveis, que em alguns aspectos é bastante parecido com o que já existe na França com as bicicletas. No fim de cada apresentação de empresa fictícia, ele confrontar as sugestões com as ações de grandes multinacionais francesas reais, como Danone, Renault e Suez, que são apresentadas em forma de entrevistas com executivos dessas empresas.

É um livro recomendado não só para designers como para novos empreendedores que querem se inspirar para iniciar um novo negócio ou apenas interessados em formas criativas de se criar um novo mundo melhor e mais sustentável. Incorporar o conceito da sustentabilidade em todos os setores da vida é, hoje, não só uma necessidade do ponto de vista socioambiental como também uma estratégia imprescindível de toda e qualquer empresa com pretensões a sobreviver daqui para diante.

 

SOBRE O AUTOR

Thierry Kazazian é designer, diplomado pela Domus Academy, de Milão. Em 1988, tornou-se um dos fundadores da O2, primeira agência internacional de designers que adotam o conceito do desenvolvimento sustentável em todos os seus projetos.

 

SOBRE O PROJETO GRÁFICO

Bem ilustrado e diagramado, é um livro com várias fotos, ilustrações e infográficos que ajudam a entender melhor os impactos das atividades das empresas no meio ambiente, o ciclo de produção e de vida de um item.

A obra original foi impressa em papel proveniente de 50% de madeira gerada de maneira sustentável, sem uso de cloro, e de 50% de fibras recicladas. Na edição brasileira, não havendo papel com as mesmas especificações no mercado, utilizou-se o papel couché fosco, originado de madeira de reflorestamento e produzido por empresa que preserva o meio ambiente.

 

ESTRUTURA DO LIVRO

Histórico
A utopia modernista

1851
A inauguração do Palácio de Cristal
O batismo da Revolução Industrial

1929
O craque da Bolsa
A sociedade de produção descobre a existência do consumidor

1945
Hiroshima e Nagasaki
O progresso perde a inocência

1963
O primeiro hipermercado
A sociedade de consumo

1969
O primeiro homem na Lua
Descobrimos a Terra

1973
A primeira crise do petróleo
A tomada de consciência

1986
Chernobil
Desastres e iniciativas

Hoje… a idade das coisas leves
O acordo fértil

Interdependência
O um e o todo
A economia integra a interdependência
A empresa interdependente
O produto interdependente

Tempo
Uma infinita variedade de tempos
O tempo efêmero
A empresa durável
O produto durável

Ciclo
Ciclo e transformação
A ruptura das sociedades modernas
A empresa como ecossistema
O produto como elemento de um ecossistema

Optimum
A leveza da matéria
O máximo em vez do optimum
A empresa da economia leve
O produto leve

Os serviços
Propostas para um desenvolvimento sustentável no cotidiano

Água
Problemática
Serviço Ovive
Entrevista Grupo Suez

Alimentação
Problemática
Serviço Myrtille Potiron
Entrevista Danone

Energia
Problemática
Serviço Energénie
Entrevista Grupo EDF

Habitação
Problemática
Serviço L’Atelier
Entrevista Castorama

Mobilidade
Problemática
Serviço Mobileasy
Entrevista Renault

Esporte
Problemática
Serviço Human Powered
Entrevista Grupo Lafuma

Multimídia
Problemática
Serviço Suny
Entrevista Thomson

Anexos dos serviços
Pegada ecológica
Glossário
Agradecimentos

 

FICHA TÉCNICA

Título: Haverá a idade das coisas leves: design e desenvolvimento sustentável
Autor: Thierry Kazazian
Editora: SENAC
Formato: 196 páginas, 24 x 20 cm
ISBN: 978-85-7359-803-2
Data de publicação: 2005
Edição: 2ª
ABNT: KAZAZIAN, Thierry (org). Haverá a idade das coisas leves: design e desenvolvimento sustentável, 2ª. Ed., São Paulo: SENAC, 2005.

 

COMPRE AQUI:

http://www.livrariacultura.com.br/scripts/cultura/externo/index.asp?id_link=9094&tipo=25&nitem=2752044

 

Comentários (1)

Embalagem de batatinha para compartilhar

Tags:

Embalagem de batatinha para compartilhar

Postado em 19 abril 2012 por Elisa Quartim

Os jovens designers Kwon Do-hyuk, Kim Seok-woo, Seo Dong-Han, In Sung-hoon, Lee Bum-ho, criaram uma nova embalagem conceitual que incentiva as pessoas a compartilhar e ganharam o prêmio Red Dot Award na categoria Design Concept.

É a Bloom Chips, uma embalagem cilíndrica de batata frita que, ao ser aberta, expande e se transforma em uma espécie de tigela. Ela permite que a batatinha possa ser consumida e compartilhado mais facilmente.

A embalagem é uma referência à clássica embalagem de Pringles, que depois que passa de um certo nível, fica quase impossível pegar sem derrubar e incentiva um consumo mais individualista.

 

Não se trata de uma embalagem com apelo ambiental, pois acaba usando mais material comparado com a outra. Mas, como disse minha amiga Rosana Vasques (que pesquisa o design para o compartilhamento de produtos), “… compartilhar talvez torne as pessoas mais preocupadas com o outro e, como possível consequência, tornar o mundo um pouco melhor (ou menos pior)…. Equalizar as diferentes dimensões da sustentabilidade sempre será um grande desafio….”

 

Fontes:

http://www.fastcodesign.com/1669476/the-pringles-package-sucks-this-chip-can-blooms-into-a-bowl

http://www.designdobom.com.br/2012/04/vai-uma-batatinha-ai.html?spref=fb

 

Comentários (0)

diletto picoles

Tags:

Diletto, sorvete artesanal com embalagem biodegradável

Postado em 03 abril 2012 por Elisa Quartim

Diletto, marca brasileira de sorvetes que aposta em receitas artesanais e produtos de origem controlada, apresenta a embalagem em formato cup, feita de papel e com uma só camada de polietileno.  Segundo a Diletto, embalagem atinge 97,5% de biodegrabilidade e atende a legislação alemã, que é a mais rígida da Europa. A Diletto é a única marca de sorvetes disponível no Brasil que investe neste tipo de embalagem.

Disponível a partir da primeira quinzena de março na unidade do Pão de Açúcar Iguatemi, o Cup Diletto pode ser encontrado nos seguintes sabores: Sorbeto de Chocolate Belgica, Gelato de Coco Malásia,Gelato de Iogurte com Framboesa Patagônia e Gelato Pistache Sicília.

As embalagens de sorvete, em geral, são multimateriais, dificultando a sua reciclagem e biodegradação. Isso é necessário para proteger o produto da umidade dos congelador. No caso da Diletto utiliza dois materiais, o papel e polietileno, mínimo necessário para a proteção, mas não sei se a biodegradação anunciada funcionaria nos nossos aterros.

 

Sobre a Diletto

La felicita è un gelato (a felicidade é um sorvete) – com essa frase, o Nonno Vittorio Scabin resumia toda a sua dedicação ao Diletto, um sorvete artesanal, feito de frutas frescas e neve. O ano era 1922 e o local o pequeno vilarejo de Sappada, a região do Veneto. Mas veio a grande guerra e Vittorio viu-se obrigado a deixar sua Itália e construir uma nova vida no Brasil.

Hoje, quase um século depois, a tradição continua pelas mãos de seus netos, que uniram as evoluções da indústria às sutilezas do processo artesanal desenvolvido pelo nonno.

Apesar da abundância de sabor, os picolés da Diletto são contidos em calorias, já que o açúcar utilizado em sua composição é o de beterraba branca, mais saudável e light. Além disso, os picolés são livres de gordura trans e tem 80% menos teor de gordura que os concorrentes.
http://www.gelatodiletto.com.br

 

Fonte:

http://www.guiadaembalagem.com.br/

http://www.embalagemmarca.com.br/

Comentários (0)

Advertise Here

Assine

Insira seu endereço de email nos campos abaixo:
Newsletter Embalagem Sustentável

 
Receba atualizações do site via FeedBurner

Grupo EmbalagemSustentavel
Nossa lista de discussão no Yahoo!
* Embalagem Sustentável é contra spam

Veja também