Na categoria | Design

Tags |

Livro – O papel social do design gráfico

Postado em 06 fevereiro 2012 por Elisa Quartim

O papel social do design gráfico | História, conceitos & atuação profissional.
Organizado por Marcos da Costa Braga.

O debate que este livro suscita não é se o design afeta ou não a sociedade. Afinal, ele nasceu para criar e transmitir mensagens para as pessoas. A questão levantada é se o designer deveria se restringir aos interesses de seus contratantes ou expandir sua capacidade comunicativa à sociedade como um todo.

Qual seria o papel fundamental do designer na sociedade? Seria a comunicação visual uma ferramenta unicamente voltada para a propaganda e para o consumo excessivo? Não seria de responsabilidade do profissional provocar no público uma reflexão sobre sustentabilidade e responsabilidade social?

Essas são apenas algumas das questões levantadas e organizadas pelo designer e doutor em comunicação visual Marcos da Costa Braga no livro “O Papel Social do Design Gráfico” da editora Senac, lançado recentemente em todo o Brasil.

 

Estrutura

A obra é uma coletânea de ensaios com diferentes conceitos e abordagens de autores distintos acerca da atuação do profissional de design gráfico relacionado às questões sociais, sendo um guia elucidativo sobre esse tema ainda pouco explorado nas publicações nacionais.

O livro começa com o ótimo texto de Marcos Braga que nos situa sobre tema em questão e levanta as questões que serão refletidas pelos outros autores nos capítulos seguintes.

No capítulo 1 “A dimensão social do design gráfico no construtivismo”, escrito por Maria do Carmo Curtis, aborda o construtivismo, movimento russo ligado à ideologia socialista. Enfoca o construtivismo na perspectiva de sua dimensão social, ao tratar da conciliação entre as necessidades materiais e a expressão das aspirações de uma sociedade em fase de transição e sua produção gráfica, em uma sociedade com índice de 70% de analfabetismo.

No capítulo 2 “Contestação gráfica: engajamento político¬ social por meio do design gráfico”, escrito por Flávia de Barros Neves, apresenta modos de praticar o design fora do status quo da profissão. Esse texto pretende falar sobre o uso da comunicação visual para a divulgação de mensagens de cunho político-social, como campanhas anti-guerra e movimento feminista indo além da questão ecológica.

No capítulo 3 “Com design, além do design: os dois lados de um design gráfico com preocupações sociais”, escrito por Rafael Tadashi Miyashiro, propõe a reflexão sobre a realização entre design gráfico e a sociedade a partir de exemplos de indivíduos e grupos que praticam ou praticaram o design gráfico com preocupações sociais em meio a um cenário de ampliação do conceito design e de aumento da consciência da complexidade do mundo.

No capítulo 4 “Design: responsabilidade social no horário do expediente”, escrito por Joaquim Redig, ele parte do princípio de que não existe design que não seja social. Se não for social (para a sociedade) não é design. Considera que a função do design é intrínseca a natureza do design. Defende que a responsabilidade social seja uma noção integrada em todas as atividades das empresas. E afirma que enquanto as melhorias sociais não forem realizadas dentro do horário expediente, não haverá melhorias sociais na sociedade de um modo geral.

No capítulo 5 “Design social, o herói de mil faces, como condição para atuação contemporânea”, escrito por Edna Cunha Lima e Bianca Martins, discute e mostra exemplos de como a trajetória do social vem sendo entendida e praticada no meio do design em épocas e situações diversas, com a intenção de compreender em que consiste a prática do design social nos dias atuais. Discute, ainda, a fertilização recíproca entre conceitos de design social e design thinking e reflexos dessas abordagens no ensino do design.
No capítulo 6 “Design para educação: uma possível contribuição para o ensino fundamental brasileiro”, escrito por Solange Galvão Coutinho e Maria Teresa Lopes, aborda os aspectos que interligam o design gráfico (e da informação) e a educação, especialmente na mediação entre as áreas. De forma crítica e exploratória, apresenta a problemática do ensino frágil e muitas vezes inconsistente da linguagem gráfica nas escolas brasileiras de ensino fundamental. E apresenta algumas considerações acerca da pluralidade das linguages contemporâneas como ferramenta cognitiva para a relação ensino/aprendizagem e da importância do design para o professor.

No capítulo 7 “Aprendendo com as ruas: a tipografia e o vernacular”, escrito por Priscila Lena Farias, pretende demonstrar que a incorporação de elementos vernaculares no design de tipos possui significados sociais distintos quando realizada em países que contam com um forte legado tipográfico, e em países onde certa tradição tipográfica pode ser iniciada a partir dessa incorporação. Neste último caso, exemplifica-se um importante aspecto do papel social do projeto, que é o de configurar identidades através da expressão visual de elementos da cultura local.

Este livro é de extrema importância para os dias atuais onde se questiona o papel social de todas as profissões. O designer tem uma força para a mudança social que geralmente não é reconhecida. O livro nos lembra do papel do bom designer onde a preocupação social faz parte do desenvolvimento do projeto. Recomendo para designer de todas as áreas, não só os designers gráficos.

 

Sobre o organizador.

Marcos da Costa Braga é doutor em História Social pela Universidade federal Fluminense (UFF) e bacharel em Desenho Industrial pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP. Membro do corpo editorial do periódico científico Estudos em Design e do conselho editorial da revista Arcos. Autor de vários artigos sobre História do Design no Brasil.

 

Ficha técnica

Título: O papel social do design gráfico | História, conceitos & atuação profissional
Autor: Marcos da Costa Braga
Editora: Senac São Paulo
Projeto gráfico: Ângela Cardoso Braga
Formato: 192 páginas, 16 X 23 cm
ISBN: 9788539601172
Edição: 1
ABNT: BRAGA, Marcos da Costa (org.). O papel social do design gráfico. História, conceitos & atuação profissional. Edição. 1 ed. São Paulo: Senac. ISBN 9788539601172.

Compre aqui: http://www.livrariacultura.com.br/scripts/cultura/externo/index.asp?id_link=9094&tipo=25&nitem=22662328

1 Comente este post

  1. Cristiano Alves Says:

    Olá, Elisa.

    Parabéns pela excelente resenha. Estava em dúvida se comprava esse livro ou não, e após ler seu artigo, percebi que preciso desse livro.

    Abraços.

Deixe uma resposta

Advertise Here

Assine

Insira seu endereço de email nos campos abaixo:
Newsletter Embalagem Sustentável

 
Receba atualizações do site via FeedBurner

Grupo EmbalagemSustentavel
Nossa lista de discussão no Yahoo!
* Embalagem Sustentável é contra spam

Veja também