Na categoria | Redução

Tags |

Novas minitampas reduzem material

Postado em 23 junho 2009 por Elisa Quartim

Repensar as embalagens atuais reduzindo pequenos detalhes e diminuido a quantidade de material usado pode parecer pouco, mas como são produzidos em grande excala, a economia pode ser de milhões.

Tampa_Coca1

É o que tem acontecido com as tampas das garrafas de refrigerante. Primeiro foi a coca-cola que reduziu sua tampas em 1,5 gramasno final do ano passado, começando pelas fabricas de Marília (SP) e Recife (PE) onde futuramente se extenderá gradualmente para as fábricas de outras cidades

O catalisador do projeto é a Xtra-Lok mini, da CSI – Closures Systems International (antiga divisão de embalagens da Alcoa). Trata-se de uma tampa de polipropileno que, por se basear no padrão de rosca PCO 1881, mais enxuto, resulta em desenhos de bocais de garrafas com no mínimo 32% menos material empregado em comparação com o tradicional padrão PCO 1810 (veja o detalhe). Com ela, a garrafa de PET de 600 mililitros dos refrigerantes da Coca-Cola perde 4 milímetros de altura e passa a pesar 26 gramas, contra 28 gramas da garrafa anterior.

Tampa_Coca2

A estimativa é de que até 2012 a redução de consumo de PET nas garrafas de 600 mililitros renda material equivalente à produção de 120 milhões de garrafas de 2 litros. Estas últimas, aliás, deverão ser as próximas a migrar para a Xtra-Lok mini.

Além de garantir economia de resina PET, a tampa – capaz de ser aplicada em garrafas de até 2,5 litros – tem também outros atrativos como design diferenciado, em forma de coroa, que facilita o manuseio, e liner para suportar altas temperaturas, evitando perda de carbonatação nas exposições ao calor, durante o transporte.

Tampa_guarana1

A exemplo de fábricas da Coca-Cola no Brasil, a AmBev começou a utilizar uma tampa de tamanho reduzido para seus refrigerantes, neste caso fornecida pela Ravibrás, fábrica do grupo argentino Ravi em Manaus. Como na situação anterior, a projeção é de que a iniciativa trará expressiva economia no consumo de matéria-prima, especificamente PET das garrafas (das quais a subsidiária brasileira da cervejaria belga Ab-InBev utiliza mais de 1 bilhão de unidades por ano) e polipropileno (PP) das tampas.

A mini-tampa faz parte de um projeto global desenvolvido pela AmBev durante mais de dois anos. Diversos modelos de tampas existentes no mercado foram avaliados e testados, porém a opção foi pelo desenvolvimento de uma nova tecnologia.

Tampa_guarana2

Com a nova tampa a parte superior da garrafa, responsável pela maior porção de consumo de plástico na produção do recipiente, tem seu tamanho diminuído. Com perfil mais baixo, o novo modelo tem apenas duas roscas, contra três do anterior, e possibilitou a redução de 3 milímetros em sua altura. Com isso, haverá uma economia de aproximadamente 1,5 grama de PET nas garrafas e 0,2 grama de polipropileno nas tampas. Nas previsões da empresa, em um ano, primeira fase do projeto, serão poupadas cerca de 300 toneladas, somando-se os dois materiais. Além do significado financeiro que propiciará, a iniciativa atende à política de preservação do Sistema de Gestão Ambiental da AmBev.

A fábrica de Jaguariúna (SP), responsável por cerca de 15% da produção das embalagens de PET da AmBev no País, já iniciou o processo de fabricação das novas garrafas. Inicialmente, a inovação chega aos mercados nas versões 500 e 600 mililitros, e engloba as famílias Guaraná Antarctica, Pepsi, H2OH!, Sukita e Soda Antarctica. Nos próximos meses, outras embalagens do portfólio de não-alcoólicos a adotarão.

Tampa_guarana3

http://www.cocacolabrasil.com.br/

http://www.ambev.com.br/

Fonte:http://www.embalagemmarca.com.br

4 Comente este post

  1. Daniel Braga Says:

    Claro que a diminuição na produção de plástico é excelente. Continuo apenas preocupado com o montante de lixo gerado, que ainda é grande e na sua grande parte, não recicláve.

    Pintando alguma notícia nesta área, comente por favor.

    Parabéns pelo excelente trabalho no blog.

  2. embalagemsustentavel Says:

    Para diminuir o lixo gerado apenas cada um fazendo a sua parte.
    Nós, como consumidores, compramos de forma mais consciente e sem excessos.
    As indústrias devem cada vez mais escolher melhor seus fornecedores de embalagens.
    Os fornecedores de embalagens devem desenvolver novas tecnologias.
    Os designer deverão projetar suas embalagens com uma visão mais global, oferecendo sugestões ao cliente.

    Se todos não tiverem o mesmo pensamento, vai demorar muito para a nossa situação mudar.

  3. Adelle Prata Says:

    Sou estudante de design de produtos da UFPB. Estava na net fazendo uma pesquisa para um artigo sobre soluções que a Coca Cola encontrou para reduzir a quantidade de materiais lançados no meio ambiente.
    Sua noticia postada aqui me ajudou bastante a obter mais informações.

    Obrigada

  4. AW Says:

    O lixo não é lixo, tudo na natureza é reciclável, até as nossas cabeças e a preguiça também, tenho uma solução simples de separação sem contaminações dentro das casas de cada um de nós, acreditem!

Deixe uma resposta

Advertise Here

Assine

Insira seu endereço de email nos campos abaixo:
Newsletter Embalagem Sustentável

 
Receba atualizações do site via FeedBurner

Grupo EmbalagemSustentavel
Nossa lista de discussão no Yahoo!
* Embalagem Sustentável é contra spam

Veja também